Princípios éticos

Principios éticos da Psicologia

Enquanto psicólogos e psicoterapeutas, somos regidos por uma ética que se traduz na prática por uma disposição pessoal de respeito fundamental pela autonomia, liberdade e natureza de cada pessoa - vista e reconhecida como única e diferente de todas as outras, com vontade própria e direito às suas opiniões, credos e preferências.

De um modo particular, tal implica que sejam assegurados e promovidos, entre outros, os seguintes princípios de natureza profissional e humana:

Confidencialidade: Na prática profissional da parte do psicólogo/ psicoterapeuta, tudo o que é dito por parte da pessoa que procura ajuda, a respeito de si própria no contexto da relação terapêutica, é privado e confidencial, incluindo a própria existência dessa relação.:

Relação informada e voluntária: Toda a informação possível e útil sobre a natureza e enquadramento específicos do processo de psicoterapia ou psicanálise é transmitida desde uma fase inicial, sendo a adesão ao mesmo por parte da pessoa, sempre de carácter voluntário.  Quer isto dizer, que nenhuma espécie de compromisso para com o profissional a obriga em momento algum a manter aquela relação, excepto a sua própria vontade.

Condições essenciais de inicio: O psicólogo/ psicoterapeuta tem que garantir desde o início, a existência de condições em si próprio(a) - pessoais, técnicas, ou outras - tal como na pessoa que o procura, que lhe assegurem a possibilidade de um trabalho em comum que viabilize o cumprimento dos objectivos estabelecidos. 

No caso de não se encontrarem reunidas, por qualquer motivo que seja, as condições necessárias ao normal desenvolvimento daquele processo terapêutico, o profissional deve facultar informações sobre opções alternativas ou que considere mais adequadas.


« Voltar