O Nosso Nome

Psicanálise

Se alguma vantagem podemos encontrar na dor psíquica, é a de que ela nos desinstala, colocando-nos num estado de procura.

Em condições favoráveis, essa procura poderá tornar-se "pró-cura", enquanto movimento em frente, em direcção a uma possível "solução", uma "cura", constituindo-se assim como motor do nosso crescimento.

Isto acontece quando se decide e é possível enfrentar essa dor que não queremos, em vez de a evitar, fugir ou adiar.

A tarefa é dificultada porque passamos grande parte das nossas vidas a construir defesas que nos protegem mas também nos afastam, de sentimentos, necessidades ou outros aspectos, na sua maioria inconscientes, que dificilmente gostamos/toleramos, e estamos convictos que os outros não. A par com o que ainda não conhecemos, algumas dessas defesas podem então facilmente transformar-se em muralhas que nos cercam, não deixando os outros entrar nem nos deixando a nós, sair.

A psicoterapia e a psicanálise tratam-se de uma relação onde a procura desse ainda não conhecido e do que permanece "por detrás das muralhas", é vivida de um modo novo, seguro e privilegiado, para ajudar a pessoa a libertar-se de um sofrimento até aqui tão incompreensível quanto pouco possível de mudar.

Esta liberdade, que é mudança,surge com o aumento do conhecimento sobre si próprio e sobre os outros, a partir da capacidade de experienciar de novos modos, de sonhar e de pensar, esses e outros aspectos antes pouco possíveis  -  permitindo então abrir caminho, também a um eu mais espontâneo, criativo e verdadeiro, que sempre aguarda em nós, como a futura árvore nas sementes, apenas em estado potencial.

É neste caminho percorrido em direcção a um presente e um futuro cada vez mais conduzido pela nossa realidade de mãos dadas com o desejo  – e não por outros cenários que nos distorçam, dominem, e se repitam – mas pelo que realmente somos e escolhemos, pelo que projectamos e podemos vir a ser, que a psicoterapia e a psicanálise podem ser cura, nesta "pró-cura", dentro de nós.


Tiago Chagas


« Voltar